• Cortar calorias retarda mesmo o envelhecimento?

    Pesquisadora explica o que os estudos têm a dizer sobre os efeitos da restrição calórica na prevenção de doenças e na longevidade.

Com o aumento na expectativa de vida da população, também estão em alta as pesquisas focadas no envelhecimento e em como evitar as doenças relacionadas ao avançar da idade. Apesar de sabermos que não existe uma fonte da juventude, a ciência vem mostrando que, sim, podemos frear em parte o processo do envelhecer e atrasar o aparecimento de problemas de saúde ligados a isso, caso do câncer e das doenças neurodegenerativas.

Embora já existam alguns medicamentos com efeitos comprovados na desaceleração dos efeitos negativos da idade — um dos remédios estudados nesse sentido é a metformina, receitada a pessoas com diabetes —, temos evidências de que algumas intervenções na alimentação também proporcionam esse impacto. É o caso da chamada restrição calórica.

De forma simplificada, restrição calórica significa reduzir o número de calorias consumidas, mas sem causar nenhum nível de desnutrição ou subnutrição. As pesquisas constatam que a diminuição no consumo energético, desde que se mantenha o nível de ingestão de nutrientes, beneficia a saúde e afasta doenças.

Se você se interessou por essa ideia, porém, não vá se aventurar com dietas restritivas pensando que elas são a mesma coisa testada pelos cientistas. A restrição calórica alvo de estudos é muito bem controlada e parte do pressuposto de que irá prover todos os nutrientes de que o organismo precisa. O que podemos encorajar, nesse contexto, é trocar o hambúrguer por uma salada completa, por exemplo. São menos calorias e mais substâncias bem-vindas.

Em um experimento com camundongos publicado recentemente por um grupo de universidades americanas e europeias, foi demonstrado que a redução de 20 a 50% na ingestão de calorias não só aumenta o tempo de vida como também previne ou atrasa o aparecimento de doenças associadas à idade. A incidência de câncer nos animais, por exemplo, foi significativamente menor apenas com essa intervenção na dieta. Também foi observada uma queda na incidência de diabetes tipo 2 e de problemas cardíacos e neurológicos.

Em seres humanos, diferentes pesquisas têm chegado à mesma conclusão. Restrição calórica, sempre com o consumo adequado de vitaminas e minerais, oferece benefícios semelhantes: melhora em fatores de risco para tumores e doenças cardiovasculares. O efeito, aliás, não se limita a pessoas acima do peso. Mesmo quando pessoas com o peso ideal se submetem ao corte de calorias, as vantagens são observadas.

Outra forma de se obter os benefícios da restrição calórica — e que passa pelo olhar da ciência — é o jejum intermitente. Estudos com humanos vêm mostrando que, em um contexto regrado e controlado, ele reduz o peso e o nível de gordura corporal, além de diminuir a concentração de insulina no sangue, fenômenos relacionados à proteção frente ao envelhecimento.

Sabemos hoje que a dieta desbalanceada, o excesso de gordura corporal, o sedentarismo e o aumento de certos hormônios são fatores-chave no desenvolvimento das principais doenças crônicas que acometem a humanidade. O lado bom dos estudos de intervenção no estilo de vida, como restrição calórica, é que suas descobertas mostram que hábitos saudáveis têm um papel fundamental na prevenção desses males mais comuns com o avanço dos anos.

Para que estratégias como essas funcionem e não comprometam o equilíbrio nutricional, é importante procurar um profissional de saúde capacitado. E lembrar que não é preciso mudar drasticamente a alimentação. Escolhas saudáveis simples já são capazes de trazer enormes benefícios ao organismo.

* Tailise Souza é PhD em biologia molecular pela Universidade de Warwick, no Reino Unido, e pesquisadora na área de envelhecimento.


Fonte: Saúde Abril


  • Cadastre-se para receber notícias

    Digite seu e-mail abaixo